26 fevereiro, 2015

Livros: Quantidade ou Qualidade?



    Quando eu estava no colégio, era conhecido por todos como o carinha viciado por livros. Uma das perguntas que eu mais ouvia era:  “Quantos livros você já leu na vida?” “Quantos livros você lê por mês?”

    Considerando-se que a juventude atual está acostumada a ler em média pouco mais de três  livros por ano, era compreensivo que ficassem surpresos e curiosos ao conhecer alguém que simplesmente gostasse de ler. Essas perguntas, portanto, eram apenas um fator da curiosidade, típicas daquele interesse que temos por coisas incomuns.

    Mas, tempos depois, ao ter contato com outros amantes da leitura, percebi que muitos deles repetiam essas perguntas entre si. Orgulhavam-se nos meses que liam mais livros, se desculpavam nos meses que liam menos. Percebia-se que, inconscientemente, a ideia corrente de bom leitor era mesurada pela quantidade de livros que este lia.

    Isso é uma das coisas que mais estragam os leitores atualmente. Afinal, querendo ler sempre mais e mais livros, começa-se a se a procura por leituras mais fáceis e superficiais, que não requeiram grande tempo ou pesquisa, ou aprofundamento no texto para compreensão do seu verdadeiro sentido. Começa-se a se preocupar cada vez mais com o que os outros estão lendo, e a se procurar livros que pareçam com aquele livro que você lá leu e gostou. Isso explica, aliás, porque sagas quase idênticas umas às outras fazem sucesso com os mesmos fãs, que parecem incapazes de admitir a grande semelhança entre elas.

    Isso é ser um bom leitor? Isso que nos torna inteligentes? Estamos realmente adquirindo conhecimento, ou apenas lendo palavras repetidas e vazias, sem nada a dizer?

    Pouco se ouve falar em livros clássicos. Aliás, nesse meio, a palavra “clássico” ganhou um sentido conotativo, sendo associada à livros chatos e complicados, sem nada interessante à acrescentar. Com isso perde-se muito. Escritores geniais e com obras riquíssimas são desperdiçados. Não se conhece Mark Twain, que escreveu dois dos melhores romances juvenis de todos os tempos – As Aventuras de Tom Sawyer e As Aventuras de Hucleberry Finn. Ou Júlio Verne, possivelmente o melhor de todos os escritores de ficção científica. Victor Hugo, autor de livros famosos por suas adaptações cinematográficas, mas cujo valor está na crítica que fazem a sociedade de sua época – por exemplo, Os Miseráveis e O Corcunda de Notre Dame. Não se conhece Dostoiévski e seu famoso Crime e Castigo, ou Goethe e seu melancólico Os Sofrimentos do Jovem Werther... Os  épicos gregos, as peças teatrais, o romantismo melancólico byroniano, as obras-primas da filosofia...

    Afinal, todos se orgulham em dizer que livro é uma fonte de conhecimento. Associam a leitura à inteligência, à novas oportunidades, à construção do sucesso... Mas poucos realmente bebem dessa fonte. Saciam-se facilmente apenas no primeiro gole.

     “Mas livro é, na minha opinião, entretenimento. E me entretenho com as coisas que eu gosto.” Correto, o bom leitor é aquele que lê porque gosta. Mas gostar de coisas superficiais apenas nos torna superficiais. Não que devemos nos obrigar a ler coisas que não gostamos. Pelo contrário, esse é realmente o segredo.

    Ao lermos aquele livro que todo mundo fala e nos sentirmos apaixonados por ele, temos duas opções à frente. A primeira é procurar por um clone, que siga a mesma estrutura e roteiro, mudando apenas os personagens e a ambientação. Isso é o que mais acontece, razão pela qual muitos escritores por aí estão sempre nas listas dos best sellers. YAs, distopias, fantasias...

     Mas há uma segunda opção, a mais recomendada. Procure por outro livro, com o mesmo tema, mas com uma abordagem diferente, uma história própria e que seja capaz de te surpreender de uma nova forma. Procure depois por um mais antigo sobre o assunto... Ou escrito por um escritor de um país diferente... Ou um que se utilize de outra forma de narrativa...  E por aí vai. Aos poucos a mente começa a se abranger, permitindo-nos compreender como diferentes autores, de diferentes épocas, diferentes localidades, abordaram o mesmo assunto, tema, base de roteiro.

    E, entretendo-nos e lendo aquilo que gostamos, aos poucos vamos adquirindo – mesmo que inconscientemente – novos conhecimentos. Vamos evoluindo na literatura. Não importa se vai levar duas semanas pra ler aquele livro ou um mês pra ler aquele outro: o que extrairmos deles nos acompanhará para a vida toda. Ao se priorizar a qualidade sobre a quantidade, acredite, estaremos aproveitando esse maravilhoso e raro dom que possuímos. O amor à literatura.



3 comentários:

  1. Olá,
    Adorei o texto, nos leva a refletir mesmo. Adorei!
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Diego, pelo amor, eu AMEI esse texto! Até mostrei para um amigo no facebook porque recentemente estavámos dialogando sobre essa superficialidade contida nessas séries quase iguais. A quantidade não é qualidade. O dificil me atrai. Eu concordo plenamenteo contigo quando diz que quando lemos algo superficial nos tornamos superficiais mesmo que este algo seja em demasia.
    Eu gosto muito de ciência, foi lendo revistas de pseudo-ciência que cheguei à verdadeira ciência. Eu sempre fui muito curiosa mas ao mesmo tempo muito cética. Foi nessa minha dúvida toda que cheguei ao livro 'O mundo assombrado pelos demônios' de Carl Sagan, e foi através dele que cheguei à "Cosmos", e comecei a me aprofundar em astronomia. Eu não me importo em encher a estante com revistas, e olha que até agora já tenho várias, eu compro uma e vou lendo, sem pressa, passo bastante tempo pensando sobre o que dentro dela está e muitas vezes um assunto citado brevemente me faz querer pesquisar mais, então resumindo: eu demoro pra cacete.

    conclusoesnoturnas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Quando comecei o blog fiquei neurótica com isso, queria ler vários livros por mês e ler um atrás do outro para aumentar o número de lidos. Até que percebi que não estava aproveitando os livros como deveria, lia tão rápido que nem me apegava a história ou aos personagens, só queria terminar logo.
    Não vale a pena ler 100 livros e não aproveitar nenhum.
    Beijoos,
    Sétima Onda Literária

    ResponderExcluir