06 julho, 2013

Um Poeta na Tempestade

    Em um dia chuvoso, eu queria andar calmamente, observando as breves ondas que meus pés produziriam na rua alagada. Meu pensamento vagaria suave para lugares distantes, talvez em outra vida, e meus olhos se encheriam de lágrimas, lembrando-se de tudo que não aconteceu, mas poderia ter acontecido.
    Encontraria na esquina um jovem poeta com um guarda-chuva nas mãos, sentado ao chão, refletindo longamente sobre sua próxima poesia. De tempos em tempos ele ergueria o olhar na direção de uma moça, encostada no peitoril da janela de forma que a chuva viesse a lhe banhar suas belas faces, e o vento jogasse para trás seus cabelos longos e revoltos. Eu me sentaria ao lado do poeta e também contemplaria, encantado, a sua musa, desejando possuir o nobre dom da arte, a arte que tão sutilmente enlaça e cativa o coração das mulheres.
    A chuva aumentaria e se tornaria uma tempestade. Eu me deitaria na calçada, e escutaria o poeta chorar suas paixões e a dor que lhe fazia a distancia da amada. E eu também sofreria, desejando com todas as forças da minha alma estar ali, naquela janela, ao lado da bela deusa, desfrutando de sua presença de seu amor. Queria puxá-la para uma valsa, abraçar seu corpo suave, e tocar os seus lábios em um beijo eterno, que se perderia através do tempo infinito.
    Mas a bela deusa, acuada pela tempestade, entraria em seu quarto e fecharia a janela, privando-nos da visão de seu encantado ser. E, em um instante, todo o sentido da vida desapareceria, restando apenas a dor de sua ausência. Não suportando aquele sofrimento, eu me levantaria e deixaria o poeta a chorar suas poesias, e entraria no primeiro bar que encontrasse pelo caminho. Completamente molhado, escutando a chuva castigar o teto e o vento arrastar a mobília, eu me jogaria em uma cadeira qualquer, aceitaria a primeira bebida que me fosse oferecida e me perderia em pensamentos e lágrimas.
    Mas seria logo despertado por uma turma de bêbados berrantes e errantes, cantando confiantes as histórias de amores esquecidos. Então eu encontraria diversão na minha própria dor e entraria, animado, naquela boemia. E bêbados sairíamos pelas ruas, cantando desesperados, berrando condenados, sofrendo animados. As pessoas nos desprezariam, a tempestade nos castigaria, mas nós continuaríamos; e na esquina reencontraríamos o jovem poeta, e riríamos de sua poesia. Mas ele, pesaroso, também sorriria, e a nós se juntaria, cantando com agonia a dor que lhe trazia um amor que não morria.
    O destino, porém, faria com que a janela se abrisse a musa reaparecesse, já sem medo da fúria dos céus, e se deixasse banhar pela tempestade. Despertado por sua visão, que aos outros não aparecia, eu deixaria de lado a boemia e na esquina me largaria. Então nossos olhares se cruzariam e, nesse instante, o universo explodiria. Eu seria levado à mais alta das nuvens, tornando-me parte da alegre tempestade, e transformado em lágrimas eu beijaria as faces encantadas da bela deusa molhada.
   Completamente cativado, eu ali ficaria até o cair da noite, trocando olhares agraciados, alimentando-me do brilho daqueles olhos ensolarados. A tempestade só aumentaria, as ruas se desertariam e, por fim, a janela se fecharia. Mas eu não me levantaria, ali mesmo dormiria.
     Nessa noite chuvosa, eu queria dormir suavemente, embalado por devaneios impossíveis e tomado por tremores febris. E acordaria no dia seguinte, deitado na esquina, com a constante chuva a me castigar. Então eu descobriria que, na verdade, aquela tempestade não me machucava. Há muito ela já era parte de mim e eu, dela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário